Geometric Thinking

 

Como partida para a construção das minhas peças, recorro à pintura pós-renascentista, mais concretamente à série de números de Fibonacci e à subsequente geometria desenvolvida pelos pintores daquele período para o desenvolvimento dos desenhos das suas pinturas. 

O retângulo de ouro é uma proporção matemática que marca forte presença no domínio das artes, nomeadamente na arquitetura, na pintura e publicidade. O número de ouro traduz a proporção geométrica mais conhecida e usada na pintura, escultura e arquitetura clássicas, renascentistas e pós-modernistas.

A construção do retângulo de ouro estende-se para o infinito no meu trabalho, estabelece-se uma ligação com o infinito desse retângulo, criando espaços onde a sua reprodução se torna possível.

No meu trabalho estes princípios matemáticos são determinantes para o desenho das minhas peças que se situam desde o infinitamente pequeno ao infinitamente grande. As peças determinam espaços subjugados a uma lógica predeterminada onde cada medida depende da que lhe deu origem. Esta dependência de cada uma das partes é vital para a construção do todo, da unidade. O infinitamente grande depende não só da origem como do suporte,  para a consolidação do infinitamente pequeno.


 

As a starting point for the construction of her pieces, the artist turned to painting post-renaissance, more specifically the series of Fibonacci numbers and the subsequent geometry developed by painters of that period for the development of the designs of her paintings.

The golden rectangle is a mathematical proportion that has an important presence in the arts, including architecture, painting and advertising. The golden ratio reflects the geometric proportion more known and used in painting, classical sculpture and architecture, Renaissance and post-modernists.

The construction of the golden rectangle extends to infinity in the work of the artist, establishing a connection with the infinite of this rectangle, creating spaces where its reproduction becomes possible.

In her work, these mathematical principles are essential to the design of her pieces, which go from the infinitely small to the infinitely large. The pieces determine subjugated spaces at a predetermined logic where each measure depends on what caused it. This dependency of each of the parts is vital to the construction of the whole unit. The infinitely large depends not only on the origin but also on the support, for the consolidation of the infinitely small.